© 2020 por GRUPO TOMAZ.

Equipe ou bando?

April 18, 2018

A cada nova experiência aprendo um pouco mais. Nas oportunidades de trabalho, também comprovo certos padrões de comportamento e de relacionamento, diretamente ligados ao sucesso ou insucesso de uma clínica ou consultório. É sobre isso que quero falar neste artigo.

 

Cada vez que sou chamado às pressas para iniciar um trabalho de "salvamento" de uma clínica e evitar sua falência total, me deparo com algumas surpresas. Em sua maioria, desagradáveis.

Me impressionam a desinformação, o descaso e a desmotivação de muitos colegas para o trabalho. A falta de comprometimento com os resultados e com os parceiros de trabalho são fatores comumente encontrados em clínicas mal sucedidas. A péssima liderança é muito mais causa do que conseqüência.

Muitas dessas clínicas que socorri tinham em comum, como principal "doença", um problema altamente contagioso e letal, chamado "desagregação da equipe". É um verdadeiro "câncer", que se espalha e toma o corpo todo.

Um grupo de cirurgiões-dentistas que trabalhe em uma clínica precisa, necessariamente, estar alinhado com os objetivos da empresa e, principalmente, possuir bons relacionamentos entre si, com demais funcionários, com a diretoria e com os pacientes. Mas em quase 100% das clínicas à beira da morte, há um "bando" e não uma equipe. É cada um por si e a clínica que se lasque.

Relacionamentos saudáveis não são apenas coisas "bonitinhas" de se escrever em artigos, mas uma prática que interfere em todo o resultado de uma empresa, independente de seu porte. Precisa ser praticado como princípio fundamental de sucesso.

Em uma reunião com um desses grupos, ouvi a pérola: "o (dentista) clínico geral não pode fazer endodontia, pois só o especialista é autorizado por lei". Rebati a enorme besteira com a própria lei que regulamenta a profissão do cirurgião-dentista (lei 5096) e arguí com o código de ética. Ele, alguém com mais de 50 anos de idade, que trabalha (agora por hobby) apenas um período a cada quinze dias, ironicamente, riu e debochou de minha "tolice". Pior do que isso, convenceu outro colega que participava da reunião a achar que ele tinha razão. Esse é um exemplo de desinformação que prejudica a clínica como um todo. Além disso, a desmotivação e a falta de interesse do colega provocavam uma reação em cadeia quase incontrolável. A clínica só voltou a crescer depois que removeu esse "câncer" e tratou do restante da equipe.

Outra ocasião, um colega me confidenciou que (literalmente) sabotava o outro, prejudicando os seus trabalhos de prótese, porque um dia ele fora mal educado com ele e porque, segundo entendia, a diretoria da clínica privilegiava o outro (não percebi verdade nisso). Não há compromisso. Não há espírito de equipe.

Vi outros que saíram da clínica montando o seu consultório, mas levando consigo o banco de dados da clínica onde trabalhava, desviando e aliciando todos os pacientes, acinntosamente e "na cara dura".

Vi funcionários mal tratados por seus superiores que, como vingança e por trás do chefe, faziam-se de piedosas e falsamente "alertavam" aos pacientes para que tomassem cuidado com a esterilização, pois a estufa estava quebrada (o que era mentira).

Em todos os casos, perde a clínica, a pessoa desmotivada, o colega contagiado por esta mentalidade, a Odontologia e, principalmente, os pacientes.

Pessoas são importantes. Quando alguém se desvia desta verdade, perde na vida pessoal, emocional, espiritual e profissional.

É necessário um líder verdadeiro para agregar pessoas e fazer delas uma equipe. Alguém que goste de pessoas. Tem de ser analítico, sintético, ligado, estratégico e interessado.

O líder, geralmente o dono da clínica, precisa saber como motivar sua equipe e mantê-la coesa, alimentando a todos com objetivos comuns, claros e quantificáveis.

Se seu consultório está com problemas, procure avaliar como estão os relacionamentos, o ambiente de trabalho, o espírito de equipe e o grau de comprometimento de cada um. Mas não se esqueça de verificar se você está fazendo a sua parte: remunerando justamente, reconhecendo esforços, sendo líder sem ser soberbo, sendo compreensivo mas com autoridade.

Equipe pode te levar ao sucesso, mas um bando, ao fracasso.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload